A vida é uma prática. Não um evento.

O dicionário Oxford define a prática como realizar uma atividade, exercício ou habilidade repetidamente ou periodicamente, a fim de adquirir, melhorar ou manter a eficiência na mesma. Isso faz sentido para mim. Eu tenho praticado alguma coisa ou outra toda a minha vida. Algumas habilidades vêm mais facilmente do que outros.

Quando eu era pequena, praticava o meu ABC. Eu me tornei bom nisso. Aprender a amarrar cadarços era um grande negócio e eu precisava de muita prática. O tempo foi passando e eu pratiquei andar de bicicleta e, eventualmente, andar de salto alto. Então veio falando espanhol. Eu ainda preciso de muita prática falando espanhol.

Ao me formar na faculdade, iniciei 35 anos de prática de enfermagem polvilhada com a prática de fraldas bebês, falando para que as crianças pudessem ouvir, ajudando com a lição de casa e as novas contas, e aprendendo a dizer que sinto muito.

Eu aprendi há muito tempo que eu seria eficaz como enfermeira, mãe, parceira e coach, na medida em que eu estivesse disposto a praticar o que eu acredito. Eu acredito no amor e no espírito humano. Eu acredito na beleza da imperfeição. Eu acredito que cada dia é um novo começo e uma nova oportunidade para praticar. Eu não acredito que a prática seja perfeita. Isso é sorte para mim porque estou longe de ser perfeito.

Como coach de vida, pratico continuamente habilidades de coaching e agora minha prática é chamada de “Walking the Talk”. Como um coach de vida, os mestres do IAC guiam minha prática de “Walking the Talk”. Meus clientes também me orientam. De fato, a vida me guia dia e noite. Embora eu não treine minha família, pratico as magias em meus relacionamentos com meu marido e meus filhos adultos. Mais intimamente, pratico as magias comigo mesmo.

Então hoje, quando eu não estou praticando como ficar fora da vida adulta de meus filhos, ser uma esposa compassiva e divertida, e usar o meu computador corretamente, eu pratico os Masteries do IAC. Como isso:

1. Estabelecendo confiança ... como estou disposta a confiar em mim mesmo?

2. Percebendo o potencial ... como estou disposta a renunciar à insegurança?

3. Audição engajada ... como estou disposta a ouvir profundamente e ouvir minha voz interior, intuição e orientação?

4. Processando no presente ... com que facilidade me lembro de que tudo o que realmente tenho é o momento presente. Com que facilidade eu aceito minha gratidão?

5. Expressando ... quão ansioso eu sou para dar voz à minha verdade, meus medos, minha alegria e meus desejos?

6. Esclarecendo… com que coragem procuro entender?

7. Faça intenções claras… intenções que me inspiram, me capacitam e me apóiam.

8. Convidando a possibilidade ... o quanto estou disposto a me abrir à criatividade, ao auto perdão e ao amor-próprio?

9. Crie e use sistemas de apoio e estrutura… primeiro eu respiro e peço ajuda. O presente que dou é receber a ajuda que me é oferecida enquanto procuro mobilizar a energia do amor.

Isto é como eu pratico “Walking the Talk”.

Martha-Pasternack

Martha Pasternack, MMC; Minha paixão por testemunhar a beleza eo mistério da vida, cura saudável ea promoção da paz na terra são parte integrante de minha vida diária. Tenho sido coaching de vida desde 2004 como um treinador de estar sem medo depois de trabalhar 30 anos como um profissional de saúde.

www.CircleofLifeCoach.com